domingo, 22 de maio de 2022

O “Pantera Negra” deambulando por aí…

 

 

Texto e fotos: Luís de Matos

 

----------------------------------------------------------------------

 

 

Foto: O “Pantera Negra” deambulando por aí.

A verde, estão os países já percorridos a bordo do nosso Range Rover Classic, com 28 anos e mais de 400.000 km de bons e fiéis serviços.

 

 

As tais viagens familiares…, de carro! Algo diferente e que, hoje em dia, já poucas famílias sabem apreciar. Às vezes torna-se difícil de explicar aos nossos amigos porque é que gostamos de viajar de determinada maneira (mais cansativa, até!), nomeadamente de automóvel…, um pouco à moda antiga. De facto, cada vez mais acho que só quem experimenta algo diferente do típico “avião + hotel, tudo preparado por outros”, consegue atingir aquele prazer de gozar as viagens por, pelo menos, três vezes… Quando as prepara, quando as realiza e de cada vez que as recorda! Aprende-se imenso (costumo chamar-lhes “visitas de estudo”) e a experiência é muito mais abrangente! E, de longe, mais económica!


Este blogue "Calamum sumere" começou mais como uma experiência de brincadeira... Há uns (muitos!) anos, com o pretexto de explicar à nossa filha o que era essa coisa dos "blogues", inspirei-me num ou noutro e, toca a escolher o mais simples (a "lei do menor esforço" de certo que foi escrita por um português!) e a desatar a debitar umas quantas linhas... Sobre o quê? Bem... Parecia que o que estava mesmo a dar, para além de ser perfeitamente inócuo de todos os pontos de vista, era escrever sobre viagens! Depois... Bem, depois bastava atulhar a coisa com umas quantas fotografias... et voilá! Enfim, uma espécie de “amontoado de fotografias, com umas linhas de prosa de permeio”… Para mais tarde recordar, como dizia aquele velho anúncio da Kodak! Ah! E também convinha arranjar um titulozito à maneira para o dito cujo blogue... “Calamum sumere”! Uma coisita que até fizesse apelo a alguma erudição de café e a um suposto douto autor... No final, até soava bem e, nunca se sabia quem é que no futuro iria passar os olhos pelos escritos... Hoje em dia, acaba por ser um pequeno “registo familiar” de algumas viagens e peripécias que temos vivido. Alguns dos textos já serviram de base a viagens similares de vários amigos, da mesma forma que os escritos de outros "viajantes" me inspiraram e ajudaram a planear algumas das viagens que fizemos, especialmente naquela "obscura arte" de encaixar tudo o que se pretende ver e fazer num reduzido número de dias de férias...!



 

Foto: No “Cabo Norte”, a 71º 10’ 21” de latitude Norte.

 

  

As histórias são sempre escritas numa perspectiva muito, mas mesmo muito, pessoal e familiar (incluindo nessa noção alargada de família, o tal “Pantera Negra”, já com vinte e sete anos e mais de quatrocentos mil quilómetros de bons e fieis serviços!). “Pantera Negra” foi o nome com que a nossa filha baptizou o carro, numa época em que ainda se deliciava com as histórias do “Moggli, o filho da selva” e dos seus inseparáveis amigos, o urso Balú e a pantera negra Baghera… E “Pantera Negra” ficou, até hoje!

 

Com ele já percorremos trinta países, em dois continentes. Portugal de lés-a-lés, claro está. Mas também Marrocos, Espanha, Andorra, Grã-Bretanha (incluindo as Highlands da Escócia, as ilhas Hébridas, a Irlanda do Norte e Gibraltar), França, Mónaco, Itália, Bélgica, Luxemburgo, Holanda, Alemanha, Dinamarca, Finlândia, Suécia, Noruega (onde fomos mesmo até ao Cabo Norte!), Liechtenstein, Islândia, Áustria, Suíça, Eslováquia, Hungria, Croácia, Eslovénia, República Checa, Polónia, Lituânia, Letónia, Estónia e Irlanda. Algumas destas viagens, só em família e outras, também com amigos de longa data. Ao que me informaram, este será o Range Rover Classic português que, com os mesmos donos, mais países percorreu…

:-)



 

Foto: O “centro” e os “quatro cantos” da Europa continental.

 


Também, pelo menos até à data, apenas tenho colocado no blogue histórias de viagens que envolvem o dito carro (mais um pequeno “Conto de Natal”, ainda com o “Águas Belas”, um Land Rover 88 Series III que também tivemos)… 


Sem prejuízo do “avião + hotel” quando as circunstâncias a tal aconselham, gostamos de viajar no “Pantera Negra”, em família.


São viagens um pouco à moda antiga e num veículo que se pode considerar um clássico. Têm um charme especial, um envolvimento familiar diferente e permitem conhecer de uma forma mais abrangente as gentes e os locais. Para os mais novos, então, são uma “aula contínua” embebida em passeio e diversão.


Também nos “põem à prova”. Já tivemos uma tentativa de assalto / “sabe-se lá o que poderia ter acontecido!”, em pleno Parque Natural das Gargantas do Verdon. Já tivemos uma avaria séria a caminho do Cabo Norte e outra a caminho de São Petersburgo. Já tivemos, até, um acidente nas dunas do Erg Chebbi. Tudo se resolveu, em alguns casos, por nós próprios. Nos outros casos, com o auxílio de pessoas absolutamente extraordinárias! Ficaram experiências, histórias e amizades. A verdade, é que também “crescemos” como pessoas a bordo do “Pantera Negra”!


Os dias de férias anuais são um bem escasso e obrigam a um bom planeamento. Onde ir, o que ver, o que fazer, a que espectáculos assistir, os horários, os tempos de trajecto, as ligações de ferry-boat, as autorizações / condições de segurança e de acesso a determinados locais, onde ficar, o que levar, sem esquecer a manutenção do “Pantera Negra”. Aos dias de hoje, contudo, tudo se torna mais fácil. Guias, mapas, revistas, contactos, etc., são tudo coisas perfeitamente disponíveis. Depois, há o inestimável contributo dos amigos e conhecidos, que “já lá estiveram”, ou que conhecem “quem já lá esteve” e que nos dão aquele alerta e aquela sugestão…, que fazem toda a diferença!


 

Foto: No “Lago Izeli”, nas montanhas do Alto Atlas, em Marrocos.

 

 

Procuramos sempre um equilíbrio entre as etapas mais a "devorar quilómetros" e os dias de visitas mais locais e detalhadas. Onde viável e adequado, privilegiamos as vias secundárias e caminhos de enorme beleza. O “Pantera Negra” sente-se em casa nestes passeios! Seguro, espaçoso, confortável e multifacetado… Veloz quanto baste, quando a estrada a tal convida. Ágil naquele caminho que nos permite ir para lá do asfalto. Alto o suficiente para vermos melhor… Só não passamos despercebidos, claro! 


    - Quem são?... De onde vêm?... Que voltas vão dar?...


Do que mais gostamos… De tudo! Mas as pessoas, sempre as pessoas, têm sido o “toque de Midas” nas recordações e histórias que trazemos! E, como muitas coisas boas da vida, as viagens gozam-se por, pelo menos, três vezes… Quando se preparam, quando se concretizam e de cada vez que se recordam!


Resumindo e à laia de índice, os tópicos que já colocados neste blogue “Calamum sumere”, são os seguintes:

 

. Andaluzia – Pelas fronteiras Oeste do antigo Reino Nasrida de Granada...




. Irlanda – Uma incursão pela “Ilha Esmeralda”...


 

. Pelas brumas misteriosas da Bretanha e Normandia...




. Para lá da "cortina de ferro"... uma volta pela Europa Central e de Leste



 

. Islândia – Viagem, não ao “centro da terra”, mas à “terra do fogo e do gelo”…



 

. “Música no coração”, ou uma “valsa” pelos Alpes e arredores




. De “Cabo” a “Cabo”… Uma viagem familiar entre os extremos Oeste e Norte da Europa




. Roteiro Celta… Escócia e Hébridas, que também são Escócia




 . Abrantes > Vilamoura, via Gerês, Andorra, Barcelona, Alicante



 

. Côte D’Azur e “arredores”, incluindo as “Cinque Terre”…




 . Marrocos  – Emoção e paixão – Um passeio com o Clube LeiriVida TT



 

. Picos da Europa – Roteiro para uma incursão familiar



  

. Voltas pela Andaluzia… da Atlântida perdida ao deserto do Califado

 



. Um conto de Natal – O meu primeiro “atolanço




E pronto, assim se vão desenrolando estes contos da loucura normal. Uma “loucura” muito saudável, diria eu!

:-)

 

Boas viagens!

 

 

      Luís de Matos

      

 

 

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Andaluzia – Pelas fronteiras Oeste do antigo Reino Nasrida de Granada...






Texto: Luís de Matos
Fotos: Luís de Matos e Maria José Lopes

-----------------------------------------------------------------------------

  
Foto: O trajecto.


Dizem os antigos, que nunca conhecemos suficientemente bem o nosso próprio país, quanto mais um país estrangeiro. Mesmo tratando-se de um país “vizinho”. Grande verdade! Dito isto, ao longo dos anos até temos tido a oportunidade de visitar e atravessar inúmeras vezes o país de “nuestros hermanos”, especialmente a sua região da Andaluzia.

Com a reabertura ao público do “Camiñito del Rey”, próximo de Málaga, resolvemos não esperar que se voltasse a degradar, e fazer-lhe uma visita. De permeio, incluímos uma incursão mais demorada à zona dos chamados “Pueblos Blancos”, a Ronda e também a Málaga. Já por ali tínhamos andado, com a nossa filha, mas noutro contexto e com outros destinos em mente.

Foi uma viagem pequena, de uma semana. Partindo de Abrantes, o tal “centro do mundo”, e fazendo de Vilamoura a nossa base de férias, a viagem ficou-se por apenas cerca de dois mil quilómetros. Levámos, claro está, o nosso inseparável amigo “Pantera Negra”, já com um quarto de século e quase quatrocentos mil quilómetros de bons e fieis serviços.

Mais uma vez, na Andaluzia, abstivemo-nos de percursos fora-de-estrada. A legislação é bastante rígida e, na época estival, as incursões fora-de-estrada em zonas sensíveis por parte de viaturas não autorizadas, são proibidas devido ao elevado risco de incêndio. E estava calor!

Seguimos, portanto, sempre por estrada! Mapas Michelin, guias American Express e Rutas por la Costa de Andalucía a bordo, e rumamos a Espanha.

Estradas com paisagens deslumbrantes, ou não tivessemos atravessado alguns parques naturais emblemáticos (e.g., Parque Natural de Los Alcornocales, Parque Natural de la Sierra de Grazalema, Parque Natural del Torcal de Antequera).

Entravamos nas zonas que, até ao final do século XV, fizeram fronteira com o antigo Reino Nasrida de Granada. No dia 2 de Janeiro de 1492, com a rendição de Maomé XII, terminaram mais de sete séculos de ocupação muçulmana na Península Ibérica. Muitas destas povoações ainda mantêm o epíteto “… de la Frontera”.


Foto: Limites do antigo Reino Nasrida de Granada. 
(Fonte: http://www.Wikipedia.com)


Elegemos para primeira escala a povoação de Vejer de la Frontera, onde chegamos à hora de almoço.

O encanto destas povoações, pintadas de branco por causa do calor, não está nos seus grandes e incontornáveis monumentos, que não têm. São, acima de tudo, povoações para serem apreciadas enquanto se deambula pelas suas ruas e ruelas, cantos e recantos, procurando prestar atenção aos pequenos detalhes. Povoações antigas, milenares até, que não foram pensadas para a circulação automóvel. De todo! Não vale a pena arriscar a integridade do veículo nestas estreitíssimas e contorcidas ruelas. O “Pantera Negra”, escusado será dizer, teve de ficar quase sempre em parques de estacionamento à entrada das povoações, ou em parques geridos pelos hotéis onde pernoitámos…, com lugar reservado com imensa antecedência. Em muitos casos, as vistas à distância destas povoações alcandoradas nos montes, suplantam a própria povoação.

Vejer de la Frontera, que quase não é citada na generalidade dos guias de viagem, foi provavelmente a povoação que mais nos encantou. Situada a cerca de 200 metros de altitude, no topo de uma montanha (montanha pequena, entenda-se), tem vistas privilegiadas a toda a volta. A batalha de Trafalgar, entre a armada britânica (comandada pelo Almirante Horatio Nelson) e as forças conjuntas de Espanha e França (comandadas pelo Almirante Pierre Villeneuve), decorreu em 21 de Outubro de 1805, próximo do Cabo de Trafalgar, à vista de Vejer de la Frontera.

Com registos de ocupação humana desde os tempos pré-históricos e hoje com cerca de treze mil habitantes, Vejer de la Frontera foi a Bӕssipo dos Romanos e, a partir do século VII, a Besher dos Árabes. Em 1285 foi, definitivamente, reconquistada pelos Cristãos.

A Plaza de España é, como em muitas povoações do país vizinho, o coração da urbe. Além de concentrar lojas, bares, restaurantes e alojamentos, tem uma belíssima fonte revestida a azulejos no seu centro. Um chá marroquino, com “carradas” de açúcar, ao final da tarde é uma experiência típica da Andaluzia. Sim! Não é necessário atravessar o estreito de Gibraltar para tomar um bom chá marroquino! Um óptimo lugar para o degustar é a “Tetería del Califa”, anexa ao hotel “Casa del Califa”. Ah! E fugir da “época alta”, pois a povoação está a menos de oito quilómetros da costa…


Fotos: Vejer de la Frontera.


Deixámos Vejer de la Fronteira com rumo a Arcos de la Frontera. De permeio, uma passagem por Medina Sidónia. Não tanto pela povoação e tentativa de recuperação arqueológica do castelo e instalações associadas, mas, essencialmente pela importância histórica dos seus regentes nas relações ibéricas. Medina Sidónia foi um dos mais importantes Ducados espanhóis nos séculos XV e XVI e, em 1588, o Almirante D. Alonso Pérez de Guzmán, VIIº Duque de Medina Sidónia, comandou a “invencível armada” contra os ingleses…, com o desfecho que se conhece.

Portugal e o Rei D. João II tiveram no IIº Duque de Medina Sidónia, D. Enrique Pérez de Guzmán, um importante aliado naquele que foi, provavelmente, o maior projecto estratégico de Portugal. Em segredo, nos séculos XIV e XV, o Reino de Portugal tornou-se no maior conhecedor da construção e navegação marítimas, e de todas as ciências a tal associadas. O domínio dos oceanos Atlântico e Índico eram cruciais para o controlo das fontes de riqueza da época (que se situavam no Índico) e do seu comércio… Mas, para tal, era necessário distrair Espanha e entretê-la, e aos seus exércitos, longe das zonas banhadas pelo dito oceano Índico. Como? Oferecendo-lhe um “Novo Mundo, supostamente a transbordar de riquezas”. Este ardil de geoestratégia, inteligentemente arquitectado por Portugal ao longo de décadas, funcionou na perfeição. Mais, o segredo foi tão bem construído e a desinformação tão bem colocada (e mantida) em toda a Europa que, ainda hoje, passado meio milénio, não se conseguiu descortinar na sua totalidade. Portugal foi a primeira potência global que o mundo conheceu e, durante um século, manteve-se como tal. Seguiu-se-lhe a Espanha… O Duque de Medina Sidónia foi, à época, uma peça importante no suporte ao Rei D. João II e ao Almirante D. Cristóbal Cólon (que não era nenhum pobretanas genovês, mas sim, um instruído nobre da mais alta linhagem, nascido em Portugal) em todo esse plano de sucesso. O Professor Manuel da Silva Rosa, no seu livro “Portugal e o segredo de Colombo”, lança novas luzes sobre este empolgante tema…

“… O ‘descobridor da América’ pode bem ter sido o melhor agente duplo da história, porque conseguiu manter o seu segredo por mais de cinco séculos. Na verdade, o homem que conhecemos como Cristóvão Colombo partiu de Portugal para Espanha, numa missão ao serviço do Rei D. João II, com o objectivo de enganar os Reis Católicos e proteger o monopólio do comércio marítimo português..." – in Manuel da Silva Rosa, “Portugal e o segredo de Colombo”

Fomos, assim, prestar o devido “tributo” a Medina Sidónia. Quanto à povoação, interessante sem dúvida. Mas apenas isso. Percebe-se que a maioria das pessoas que faz a “Rota dos Pueblos Blancos” lhe passe ao lado… Quanto ao jovem colaborador do Turismo de Andalucía, que, junto à igreja de Santa Maria la Coronada, não conseguia comunicar com uns turistas franceses… Nem em francês, nem em inglês…, nem mesmo em espanhol, pois tinha uma pronúncia andaluza “cerrada”! Pois… Digamos que há muito espaço para melhoria no domínio de línguas estrangeiras, do lado de lá da fronteira! O que vale, é que andavam por ali uns portugueses…

Fotos: Medina Sidónia.


Seguimos para Arcos de la Frontera, provavelmente, o maior e mais bonito de todos os “Pueblos Blancos”. Embora o nosso coração tenha ficado com Vejer de la Frontera… Aqui residem, hoje, cerca de trinta e uma mil pessoas. Alcandorada no topo de uma montanha, com muitas casas a desafiar o abismo, tem uma visão a 360º sobre as planícies e montanhas em redor. Também com registos de ocupação humana desde os tempos pré-históricos, foi a Arcensium dos Romanos e a Arkos dos Árabes, tendo sido reconquistada pelos Cristãos em 1255.

Vale a pena começar por uma visita ao Posto de Turismo, na Calle Cuesta de Belén, para apreciar a maquete de Arcos de la Frontera. Ficamos com uma melhor percepção do impressionante posicionamento estratégico da povoação. No cimo, a Plaza del Cabildo é um dos pontos imperdíveis da povoação. Pelas vistas soberbas do seu miradouro (o Balcón de la Peña Nueva), mas também pelo Parador Nacional e pela Basílica de Santa Maria de la Assunción, em estilo gótico.

Observámos nesta praça uma intervenção absolutamente admirável da polícia local. Um grupo de turistas estrangeiros, de mota, atroava os ares com o seu mais pesado vernáculo (já os tínhamos ouvido antes, a caminho da Plaza del Cabildo) e berravam aos quatro ventos pela saída. Queriam sair dali rapidamente! Os agentes da autoridade, com toda a calma e simpatia, perguntavam-lhes se já tinham visitado a povoação… Não! E só queriam ir embora! Pois os ditos agentes, não só lhes arranjaram espaço para que estacionassem as motas, como destacaram um elemento, graduado, que lhes serviu de cicerone numa volta rápida pelos pontos mais interessantes de Vejer de la Frontera! Cruzamo-nos com o grupo diversas vezes, no nosso próprio deambular pela zona. Claro que, tirando um ou outro elemento que seguiam atentamente as explicações do polícia, os restantes alavancavam na diferença da língua e continuavam com um linguajar de fazer corar as paredes da mais ordinária taberna. Os ditos turistas eram portugueses… Vergonha!

 
 
 
Fotos: Arcos de la Frontera.
  

Rumamos depois ao Parque Natural de la Sierra de Grazalema e a El Bosque, a povoação de entrada no parque. Demandávamos o seu Centro de Visitantes. Pois… Estava fechado.

Para quem for amante de uma bela truta, El Bosque tem os viveiros de trutas mais a Sul da Europa… Mas já tínhamos almoçado em Arcos de la Frontera.

Declarado reserva da biosfera em 1977, o Parque Natural da Sierra de Grazalema inclui várias serras que se inserem na Cordilheira Sub-Bética. Nele nidificam várias colónias de abutres, com especial destaque para o “abutre leonado” (gyps fulvus), como aqui lhe chamam. Parece que também têm sido registados alguns casais de “abutres do Egipto” (neophron percnopterus).

Demos uma volta rápida por El Bosque, uma daquelas cidades que o são essencialmente por razões históricas… Tem cerca de dois mil habitantes, apenas. Seguimos para Ubrique e, daí, para Benaocaz, Villaluenga del Rosario e Grazalema.

 
Fotos: El Bosque.
  

Ubrique, no sopé da montanha, é uma cidade mais virada para a indústria (essencialmente “marroquinaria”) do que para o turismo. Muito provavelmente, as melhores vistas da povoação conseguem a partir do Mirador de las Cumbres.


 
Fotos: Ubrique.
  


Foto: Benaocaz.
  

Passamos Benaocaz sem nos determos e, um pouco mais à frente, no Mirador del Cintillo y Aguas Nuevas fomos surpreendidos por dezenas de abutres em voo. O jeito que um bom zoom não me tinha dado! Ficamo-nos pela contemplação…, e deixamos para uma altura do ano menos quente a incursão pela “calçada romana” que, à época, unia Carteia (entre Algeciras e Gibraltar) a Acinipo (hoje, Ronda la Vieja). “Calçada romana”, que muitos atribuem aos fenícios… e outros até, a povos anteriores à presença fenícia…

 
 
   
 
 
  
 Fotos: Mirador de Cintillo y Aguas Nuevas.
  

Em Villaluenga del Rosario conseguimos resistir à tentação de nos abastecermos de “Queso Payoyo”. Da próxima vez temos de levar a mala térmica eléctrica!

 
 Fotos: Villaluenga del Rosario.
  

Grazalema está considerada como uma das mais bonitas, pitorescas e bem cuidadas povoações dos “Pueblos Blancos”. Com cerca de dois mil habitantes, as suas origens são anteriores à presença romana (que a baptizaram de Lacidulia). Ocupada pelos Árabes (e renomeada para Raisa lami Suli) em 715, foi definitivamente reconquistada pelos Cristãos em 1485. A par de El Bosque, a povoação de Grazalema bate recordes de pluviosidade em toda a Espanha!

 
 
 
 
 
 
  
 
  
 
 Fotos: Grazalema.
  

Saímos de Grazalema para o Mirador del Puerto del Boyar e, de seguida, para o Mirador de las Palomas. Este último será, provavelmente, o miradouro com as melhores vistas de toda a zona do parque natural.


 Foto: Mirador del Puerto del Boyar.

 
 
 
Fotos: Mirador de las Palomas.


Já próximo de Zahara de la Sierra, no Mirador del Puerto de los Acebuches, cruzámo-nos com uma auto-caravana de matrícula portuguesa. Claro, toca a parar para dois dedos de conversa. Uma família de brasileiros, com um miúdo de dez anos, que, numa boa gestão de férias e geralmente de auto-caravana, já tinham andado pelos continentes americano e africano (aí, com uma versão “4x4”). Agora, estavam a visitar a Península Ibérica. O único problema com que se estavam a deparar era com as estradas mais estreitas e sinuosas… e com as povoações onde, sem qualquer sinalização a alertar, não conseguiam passar com o veículo. Já tinham apanhado alguns sustos! Demos-lhes as indicações possíveis, pois o trajecto que tinham em mente (e por onde já tínhamos passado) não ia ser “pêra doce” para uma auto-caravana daquelas dimensões.

 
Fotos: Mirador del Puerto de los Acebuches.


Zahara de la Sierra tem apenas mil e quinhentos habitantes, mas, situada maioritariamente no alto de um penhasco e debruçada sobre a barragem de Zahara-el Gastor, acaba por ser uma das mais espectaculares povoações da zona dos “Pueblos Blancos”. Foi declarada Património da Humanidade pela UNESCO, em 1977.

A sua localização privilegiada, a meio da rota entre Sevilha e Granada, deu-lhe alguma importância no seu passado Árabe. Foi reconquistada definitivamente pelos Cristãos em 1485. Tudo relativamente próximo, como é timbre destes pequenos povoados, a igreja de Santa Maria de la Mesa (do século XVII), a capela de São João de Latrão (do século XVI), a Torre do Relógio e a Ponte dos Palominos (de origens Romanas), valem a caminhada. Do castelo Árabe e da sua torre de menagem, restam algumas ruínas, visitáveis.

 
 
  
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
  
Fotos: Zahara de la Sierra.


Deixámos Zahara de la Sierra pelo coroamento da barragem, atravessámos a algo descaracterizada Algodonales e seguimos para Olvera e para o Santuario de Nuestra Señora de los Remedios.

Povoação já de alguma dimensão, para os padrões locais, Olvera conta com quase nove mil habitantes. Atribuem-se-lhe origens Celtas, num castro apelidado de Caricus, mas não existe consenso entre os historiadores. Dito isto, passou pelas mãos de Romanos (com o nome de Ilipa) e Árabes (com o nome de Wubira), tendo sido reconquistada definitivamente pelos Cristãos em 1327.

O castelo e a igreja de Nuestra Señora de la Encarnación, dominam o topo do povoado. Consegue-se chegar lá de carro, mas não há onde estacionar. As melhores vistas sobre Olvera conseguem-se, “do outro lado dos montes”, no Santuario de Nuestra Señora de los Remedios. Olvera foi declarada como “Protected Area of Artistic and Historical Importance” em 1983.

Foto: Olvera - Santuario de Nuestra Señora de los Remedios.


 
 
 
 Fotos: Olvera.


Já no caminho para Ronda, não podíamos deixar de deambular por Setenil de las Bodegas e apreciar as casas construídas nas falésias abertas pelo rio Guadalporcún. Se os tais “irredutíveis gauleses” tinham receio de que o céu lhes caísse em cima da cabeça…, aqui o receio é de que a falésia no caia em cima! Um receio permanente!

De qualquer das formas, este tipo de construção com o aproveitamento da falésia é bastante prática (e, até, comum em muitas zonas do globo). Ao invés de construírem uma habitação completa, basta construírem as fachadas e as divisões interna. Por outro lado, a falésia acaba por servir de regulador térmico natural, mantendo as habitações quentes no Inverno e frescas no Verão. Hoje com menos de quatro mil habitantes, supõe-se que a ocupação humana destas falésias remonte ao Paleolítico, tendo por aqui assentado arraiais quase todos os povos que ocuparam a Península Ibérica. A reconquista Cristã definitiva ocorreu em 1484, após sete cercos falhados. Aliás, ao que consta, o nome Setenil deriva da expressão em Latim “septem nihil” (sete vezes nada). Do castelo Árabe, resta a Torre de Menagem.

Quem hoje deambula pela povoação dificilmente imagina que, no século XVI, tinha direitos comerciais ao nível dos de Sevilha! Mais… O atlas das mais importantes cidades da Europa, publicado em 1564 por Joris Hoefnagel, tinha uma ilustração de Setenil!



 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fotos: Setenil de las Bodegas.



Com estas elucubrações sobre a “Ascensão e queda das grandes potências”, neste caso, apenas cidades…, deixámos os “Pueblos Blancos” e dirigimo-nos a Ronda.

É sempre um prazer revisitar Ronda! Ainda para mais quando somos recebidos com uma exposição da Porsche, junto à Plaza de Toros! Ok! Uma exposição da Lamborghini seria mais adequada...

As origens de Ronda perdem-se nos tempos do Neolítico. A sua localização tornou-a numa praça quase inexpugnável. Os povos Celtas andaram por aqui também e construíram um povoado a que chamaram Arunda. Os Fenícios assentaram arraiais aqui próximo, em Acinipo, hoje Ronda la Vieja. Posteriormente, quer Gregos, quer Romanos, quer Visigodos, quer Árabes, também por aqui se estabeleceram. A reconquista Cristã definitiva ocorreu em 1485. Tal como na generalidade dos “Pueblos Blancos” que visitamos anteriormente, também aqui, em Ronda, as invasões das tropas de Napoleão causaram grande destruição e sofrimento.

Situada no alto das gargantas escavadas pelo rio Guadalevín e rodeada de montanhas, Ronda é uma daquelas inspiradoras “povoações de postal ilustrado”, que dá gosto conhecer. A garganta El Tajo é uma das imagens mais conhecidas da povoação.

O poeta alemão Rainer Maria Rilke, que aqui passou longos períodos da sua vida, escreveu sobre Ronda…

“… He buscado por todas partes la ciudad soñada, y al fin la he encontrado en Ronda (…) no hay nada más inesperado en España que esta ciudad salvaje y montañera…” - Rainer Maria Rilke

Era capaz de ter toda a razão! Ernest Hemingway e Orson Welles estão entre os nomes famosos que também se encantaram com Ronda (estamos em boa companhia, portanto!) e escreveram sobre as suas belezas e, claro, sobre as suas tradições na Arte Tauromáquica.

Ronda é considerada o berço da tauromaquia na Península Ibérica. A Plaza de Toros, inaugurada em 1785, é uma das mais antigas de Espanha. Tourear em Ronda é sonho de todos os toureiros e em Setembro, milhares de aficionados reúnem-se aqui para a Corrida Goyesca, uma tourada histórica e única no mundo. Ficou célebre, no mundo da alta-costura, o “Traje de Luces” que Giorgio Armani produziu para o toureiro Cayetano Rivera Ordóñez, quando da Corrida Goyesca de 2009.

Toda a cidade encanta e, mesmo que numa visita rápida, locais como o “casco antiguo”, a Plaza de Toros, o Puente Nuevo e El Tajo, são imperdíveis.


 
 
 
 
 
 
 
  
 
 
 
 
 
 
 


 
 
 
 
 
 
 
  
Fotos: Ronda.



Deixamos Ronda ao final da tarde e rumamos a Ardales, mais propriamente ao Embalse Conde de Guadalhorce, que foi a nossa base para a visita ao Camiñito del Rey.

O Camiñito del Rey é um itinerário de grande beleza ao longo do desfiladeiro dos Gaitanes (este, criado pelo mar há milhões de anos atrás). De per se, tem apena 2,9 km. Mas o trajecto total estende-se por 7,7 km, que incluem os 2,7 km do acesso Norte (início do percurso) e os 2,1 km do acesso Sul (saída). O índice de dificuldade é médio. Diríamos até, que é fácil.

Com a industrialização da zona de Málaga, no início do século XX, procurou-se aproveitar o desnível do desfiladeiro dos Gaitanes para a produção de electricidade. Para permitir a manutenção de todo o sistema de canais, construiu-se um passadiço ancorado nas rochas. Em 1953 este caminho foi baptizado de Camiñito del Rey, em honra da visita do Rei D. Alfonso XIII, ocorrida em 1921.

Sem manutenção durante décadas, o caminho deteriorou-se e foi mesmo interdito no ano 2000. Registaram-se algumas mortes de aventureiros que tentaram percorrê-lo sem as mínimas condições de segurança. Em 2015, após profundos trabalhos de restauro, o Camiñito del Rey reabriu ao público. O número de visitantes diários é limitado, por questões de segurança, mas tínhamos reservado uma visita guiada com bastante antecedência.

Havíamos lido, algures, referências a um túnel de umas centenas de metros, não iluminado, que encurtava o trajecto inicial do acesso Norte, dos 2,7 km oficiais para apenas 1,5 km… Ao jantar, tentámos saber onde era esse tal túnel mas, aparentemente, ninguém nos sabia dizer. Falavam-nos apenas de outro túnel, bastante largo e pouco comprido, que acabava por servir de armazém e garagem a um restaurante local…

Só que a Maria José lembrava-se de ter visto, do lado dela da estrada, um “buraco” com uma placa a indicar 1,5 km para o Camiñito del Rey.

Pois, nem era tarde nem era cedo, saímos do restaurante e, sempre controlando o tempo, seguimos a pé pelo coroamento da barragem, passámos de novo junto ao monumento evocativo da assinatura (pelo Rei D. Alfonso XIII) do contrato de construção de todo o complexo hidroeléctrico, passámos o “túnel / armazém / garagem” e seguimos estrada acima… Até encontrarmos a entrada do tal túnel, por volta das dez da noite! Como trago sempre uma pequena lanterna e o “buraco” até nem tinha mau aspecto, resolvemos averiguar. À parte alguma (bastante!) poeira no ar e uns quantos morcegos retardatários na sua saída para a “noite”, o túnel estava impecável e fazia-se bem. Do outro lado, a continuação do caminho do acesso Norte. Missão cumprida! Regressámos ao hotel.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
  
 
Fotos: Embalce Conde de Guadalhorce e o "túnel secreto", explorado depois do jantar.


No dia seguinte, de manhã cedo e após um bom pequeno-almoço, enquanto a generalidade dos “aventureiros” seguia que nem setas direitinha ao trajecto oficial do acesso Norte (o tal dos 2,7 km), nós seguimos tranquilamente rumo ao túnel… Só três pessoas abandonaram o “pelotão” vieram atrás de nós. Devíamos ter ar de quem sabia para onde ia…

O trajecto global pode ser dividido em diversas etapas, todas elas de grande beleza:

            - O acesso Norte, até ao posto de controlo de bilhetes e entrega de capacetes e rádios, em caminho de terra;
            - A primeira parte do desfiladeiro de Gaitanes, em passadiços ancorados na rocha;
            - A zona do bosque, a fazer lembrar algumas áreas dos Pirinéus, também em caminho de terra;
            - A segunda parte do desfiladeiro de Gaitanes, em passadiços ancorados na rocha;
            - O acesso Sul, até ao posto de recolha dos capacetes (os rádios foram recolhidos no final do troço anterior), em caminho de terra.

Sem margem para dúvidas, as primeira e segunda partes do desfiladeiro de Gaitanes foram as mais interessantes de todo o passeio. Uma visita guiada, com um bom guia, também fez a diferença. Pelo enquadramento, informação, história e pelas histórias e boa disposição… Cinco estrelas! E "resmas" de fotografias e vídeos!

No acesso Sul, em El Chorro, o serviço de autocarros levou-nos de regresso até ao início do acesso Norte.

Retemperamos as forças no restaurante, onde até havia um brasileiro, fugido do terror económico dos tempos de Lula e Dilma, que nos interpelou para dois dedos de conversa. Era raro ouvir falar português por ali!




Fotos: Camiñito del Rey.


Deixámos a zona do Camiñito del Rey e voltámos a descer o desfiladeiro, agora por estrada e já com o “Pantera Negra”, rumo à vibrante cidade de Málaga; terra natal do pintor Pablo Picasso.

Hoje com seiscentos mil habitantes, há registos de ter sido um assentamento grego na Antiguidade Clássica. A sua fundação oficial é atribuída aos Fenícios no século XII A.C. Depois… Bem, depois vieram “os do costume”… Romanos, Árabes, Visigodos… E, em 1487, chegou a reconquista Cristã.

Como muitas cidades espanholas da actualidade, após períodos de significativo declínio, Málaga soube reinventar-se e apresentar-se, hoje, ao mundo, como uma cidade atractiva, bela, pujante de vida, economicamente próspera e onde o legado histórico é inteligentemente preservado e desfrutado.

Depois de muito deambularmos por Málaga, não podíamos perder um bom espectáculo de Flamenco! Recomendaram-nos um “Tablao Flamenco” famoso, onde o próprio Pablo Picasso costumava, à época, dar um ar de sua graça (imaginamos que tenha “dado um ar de sua graça” em todos quantos existiam e não existiam!). Gerido por uma família cigana desde há quase meio século, oferecia o habitual espectáculo de dança, cantares e guitarra… Tudo acompanhado da boa gastronomia andaluza. Como já tínhamos jantado, ficámo-nos por “una copa”. Um dos personagens, de origem africana, chamava desde logo a atenção pela excentricidade das suas vestes… Um fato de tecido a fazer lembrar as “capolanas” africanas, com o indispensável xaile de renda por cima! No final da sua exibição (o moço dançava bem!), como corolário da sua total entrega à dança flamenca, pega de rompante numa menina que ainda não deveria ter um ano (provavelmente sua filha) e levanta-a nos braços, exibindo-a ao público, qual Rafiki mostrando Simba aos habitantes das Pride Lands! Tal como no filme, o público aplaudia em êxtase! Porque é que nestes sítios é sempre proibido filmar e fotografar?!...

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fotos: Málaga. 
(Última imagem, fonte: http://www.Disney.com)

Ainda nos restava uma semana de férias, que tínhamos destinado mais à vertente do dolce fare niente. Assim, ao início da tarde, rumámos a Vilamoura.

De caminho, e de improviso, fizemos um desvio para visitarmos o Conjunto Arqueológico dos Dólmens de Antequera, incluído na lista de Património da Humanidade, da UNESCO.

Este conjunto engloba três monumentos “culturais” (Dólmen de Menga, Dólmen de Viera e Dólmen de El Romeral) e dois “naturais” (o pico da Peña de los Enamorados e o conjunto montanhoso de El Torcal), todos próximo da cidade de Antequera.

Atravessámos a cidade e dirigimo-nos para os Dólmens de Vieira e de Menga (o maior da Europa), datados do Neolítico. Falhámos o Dólmen de El Romeral, que desconhecíamos… O tais “improvisos”, às vezes, dão nisto.

Estas câmaras, supostamente funerárias, estão entre as maiores e mais completas estruturas megalíticas da Europa. No Dólmen de Menga, de que não há certezas quanto à sua função, um poço descoberto há uns anos, tem-se revelado sucessivamente mais profundo do que o esperado. As escavações prosseguem. Ainda hoje é um mistério como tudo foi construído, com lages de toneladas (a maior tem 180 Toneladas, 4,5 vezes mais pesada que a maior pedra de Stonehenge)! Como noutras construções do género por esse mundo fora, existe um alinhamento perfeito com a luz do Sol nascente no solstício de Verão. Os raios de luz passam sobre o pico da Peña de los Enamorados e entram pelo corredor até ao fundo da sala do Dólmen de Menga... È, também (juntamente com o Dólmen de El Romeral) o único caso conhecido na Europa em que este alinhamento coincide com uma marca paisagística (o pico da Peña de los Enamorados).

Na entrada do recinto, achamos muito interessante o Centro Solar Michael Hoskin (em honra do arqueo-astrónomo homónimo, da Universidade de Cambridge). Uma excelente ideia para outros locais de características similares, nomeadamente em Portugal.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fotos: Conjunto arqueológico dos Dólmens de Antequera.



Com mais uma boa lição de pré-história no curriculum, seguimos então para Oeste, para o tal dolce fare niente!

Foto: Vilamoura.




      Luís de Matos
     (Agosto de 2019)